[O mercador de Veneza - Willian Shakespeare]

O mercador de Veneza - Willian Shakespeare

"O amor sendo cego, os enamorados não podem ver as loucuras que cometem."

Oi meus contos, tudo bom?!

Recentemente fiz uma resenha sobre o livro O Mercador de Veneza, para um trabalho na faculdade, (Eu faço Direito) muitos de voces pediram pra eu poder compartilhar a resenha com voces, entao vou postar aqui e espero que gostem.

 

O Mercador de Veneza foi escrito entre 1596 e 1598 foi classificada pelo próprio autor como uma comedia romântica, mas ao longo da historia percebemos o quanto alguns momentos dramáticos marcam a historia. Tudo acontece por volta do século XIV, na cidade de Veneza/ Itália, percebemos logo no inicio da historia como a cidade era uma das mais abençoadas por conta do comercio.

Na trama logo conhecemos o personagem Bassânio, um rapaz de origem nobre que deseja muito casar-se com a herdeira Pórcia, mas por não ter muitos patrimônios, ele enfrentara alguns problemas antes de ter a herdeira em suas mãos. Sem muitas opções ele acaba pedindo ajuda ao seu amigo Antonio, um dos comerciantes mais ricos da cidade de Veneza, no começo Antonio o explica que seus navios e bens já estão no mar, mas que ele pode o ajudar sendo o seu fiador, caso Bassânio consiga um empréstimo.

A historia da uma revira volta quando Bassânio contata o judeu Shylock, o problema é que Shylock odeia Antonio por conta do seu anti-semitismo, ao perceber que ele será o fiador ele faz uma proposta especial: “se ele não for pago ate a data marcada, recebera uma libra de carne do Antonio”. Bassânio fica com receio de pegar o dinheiro dessa forma, mas Antonio acaba aceitando e assina o contrato. Depois de muita correria, Bassânio acaba viajando com seu amigo Graciano para Belmonte, lá ele finalmente passara por uma prova para conquistar a sua amada Pórcia.

Em Belmonte um pequena prova criada pelo pai de Pórcia aguardava pelos pretendentes, nessa prova havia 3 baús: um de ouro, um de prata e o outro de chumbo, o pretendente que acertasse o baú certo, poderia se casar com a herdeira. Os primeiros pretendentes escolheram os baús de ouro e prata, mas logo em seguida foram rejeitados, o Bassânio acabou escolhendo o baú certo que era o de chumbo e acabou ganhando a prova e a noiva.

Já em Veneza as coisas não estavam nada bem, Antonio acabou descobrindo que seus navios se perderam no mar e agora ele não tinha mais dinheiro para pagar Shylock, mas Shylock aproveitando da situação logo em seguida resolveu se vingar. Antonio acabou sendo preso e levado para o tribunal. Quando Bassânio descobre o problema que seu amigo esta passando ele imediatamente vai para Veneza, Pórcia para poder ajudar o marido e seu amigo, acaba pedindo ajuda ao seu primo advogado Belário.

No tribunal as coisas não vão bem, Bassânio ofereceu o dobro do que havia pego emprestado ao Shylock, mas o vingativo judeu não aceitou e apenas exige a libra de carne do Antonio.

Do nada aparece um misterioso “doutor em direito”, mas mal eles sabem que é apenas Pórcia disfarçada. Ela tenta entrar em acordo pedindo misericórdia, mas o judeu não cede por nada, quando ele vai pra retirar a carne de Antonio, Pórcia entra em ação e aponta algumas  particularidades do contrato: nele Shylock pode retirar sim uma libra de carne do Antonio, mas não pode retirar sangue, pois se uma gota de sangue fosse derramado, pelas leis de Veneza as terras e os bens de Shylock seriam confiscados.

No final das contas Shylock acabou se conformando com sua derrota e aceitou a quantidade que Antonio ofereceu, mas Pórcia logo argumentou que depois de ter recusado ele não poderia aceitar e ainda foi muito esperta ao usar uma manobra jurídica que passou a metade dos bens de Shylock para Antonio.

Tanto o livro como o filme retratam muito bem os conflitos da Idade Media entre judeus e cristãos, também fica bem evidente os aspectos jurídicos que são relatados no decorrer da historia, ao pesquisar um pouco sobre a historia me chamou bastante atenção a ver que o livro foi construído em cima de um brocardo latino “pacta sunt servenda” que signica que “os pactos devem ser respeitados”, posso dizer também que o autor souber expressar muito bem todos sentimentos que foram descritos como amor, ódio, vingança, orgulho e amizade. Apesar de uma linguagem complicada, o leitor consegue muito bem captar a mensagem que o autor passa. Foi uma das obras de Shakespeare que sem duvida nenhuma me deixou bastante admirada.

 

Sinopse:

O mercador de Veneza é uma das obras mais polêmicas de William Shakespeare (1564-1616). Escrita por volta de 1596, aborda o choque entre diferentes culturas, tema tão presente hoje como na Inglaterra do século XVI. Tradicionalmente classificada como comédia, apresenta elementos típicos do romantismo; um exemplo é a heroína da peça – Pórcia –, uma dama italiana à procura de um marido.

A história tem lugar entre Veneza e a fictícia Belmonte e mostra o antagonismo entre Antônio – o mercador do título da obra, comerciante cristão de prestígio – e Shylock, um usurário judeu que leva o outro ao tribunal no intuito de cobrar uma dívida. Para criar este que é um dos seus mais populares personagens, Shakespeare se inspirou na peça O judeu de Malta, de seu contemporâneo Christopher Marlowe.

Nesta obra fica clara a habilidade shakespeariana de colocar elementos altamente trágicos numa peça que termina em casamentos e reconciliações. Sem piedade, o dramaturgo manipula a opinião do público em meio a personagens tão dúbios quanto ardilosos, criando um dos seus melhores trabalhos.

 

Conheça o(a) Autor(a)

[Paloma]
Paloma Isabele

Pisciana, Estudante de Direito e Completamente apaixonada pelos livros. Uma frase que resumi toda essa loucura que chamamos de vida é "Nada é tão nosso, quanto nossos sonhos".

Veja Alguns Posts Relacionados

Comentários

Olá, deixe seu comentário para O mercador de Veneza - Willian Shakespeare

Enviando Comentário Fechar :/