[Entrevista com a escritora Déborah Felipe]

Entrevista com a escritora Déborah Felipe

Oi meus contos, tudo bom?!

Hoje venho trazer uma entrevista que demorou um pouco pra sair, mas finalmente toda essa demora acabou. Hoje vocês vão conhecer um pouco sobre essa escritora super talentosa e carinhosa, um pouco sobre a Déborah Felipe que muitos ainda não conhece.

Para quem não sabe a "Déborah Felipe começou a escrever cedo, por grande influência dos escritores que lia, principalmente Pedro Bandeira, que foi a maior delas quando escreveu seu primeiro romance – “As Canetas Mágicas – O mistério do Xadrez” – aos doze anos. Apaixonada pela cultura japonesa, a maior parte de suas histórias giram em torno de personagens do outro lado do mundo, assim como o próprio "A Casa das Hostesses". Algumas de suas histórias nasceram no site de fanfics Nyah! Fanfiction."

LIVROS

A casa das Hostesses

Entrevista com a escritora Déborah Felipe

SINOPSE:

O que você faria se tudo o que planejou para a sua vida desmoronasse em um segundo?
Para onde iria quando seu coração é partido e nada mais parece verdadeiro?
Quem buscar quando você busca aconchego e conforto numa noite de tempestade?

As hostesses podem cuidar de você...

A Casa das Hostesses não se parece com um lugar que Souji frequentaria normalmente. A música é muito alta, as pessoas parecem menos inibidas, as luzes dançam muito rápido, as bebidas se parecem mais com poções mágicas... e as garotas... bom, ele não sabe ao certo como é que um trabalho como aquele funciona. Mas aquele lugar misterioso surgiu em seu caminho como se fosse um encontro marcado pelo Destino...
 
Takeshi Souji sempre conduziu sua vida sobre três pilares: seu trabalho na empresa Takeshi, que um dia será sua; seu noivado com Juury, sua namorada do colégio e seus amigos de infância. Porém, dois desses pilares desmoronam quando ele descobre que sua noiva tem um caso com seu pai, deixando-o completamente sem chão.
A Casa das Hostesses é um prédio de aparência antiga que germina como se fizesse parte do solo. Ninguém perceberia aquele lugar se não o estivesse procurando, e talvez isso faça parte de seu charme, como um lugar que sabe exatamente quem deseja conhecer a cada noite, como se fosse uma das hostesses que trabalha ali...

A todos que estão para conhecer esse novo mundo...

Sejam bem-vindos à Casa das Hostesses.

 

A Casa das Hostesses - Guilty

Entrevista com a escritora Déborah Felipe

SINOPSE:

A Casa das Hostesses é um prédio antigo de Tóquio que passa despercebido para aqueles que não o estão procurando e é parte de seu charme ser um lugar que sabe exatamente quem deseja conhecer a cada noite, como se fosse uma das hostesses que trabalha ali.

Depois de assumir a presidência que nunca desejou da Takeshi, Souji está se esforçando ao máximo para não deixar o barco afundar, mesmo que isso esteja começando a afastá-lo de tudo o que ele mais preza na vida: seus amigos, Selina e da Casa das Hostesses. Com as péssimas experiências que seu próprio pai e sua ex-noiva o fizeram passar, ele ainda luta diariamente contra o medo de fracassar e de perder tudo que caiu em suas mãos de repente.

Um novo cliente aparece na boate e é ninguém menos que Hikari Yune, o homem que pode tanto ajudar quanto arruinar tudo para Souji. Yune é um homem maduro e sedutor que passa a frequentar à Casa das Hostesses e cai de encantos por Selina.

A todos os clientes assíduos...
Sejam bem vindos de volta à Casa das Hostesses.

ENTREVISTA

Entrevista com a escritora Déborah Felipe

1- O que te inspira a escrever?

Essa é realmente uma pergunta difícil de responder, apesar de ser o mais importante, né? Talvez seja clichê dizer, mas a vida me inspira! As coisas que acontecem no dia-a-dia, as leituras que eu faço, as músicas que eu escuto. A inspiração está por toda a parte!


2- Qual é a história por trás dos seus livros?!

Quando eu escrevo, dificilmente eu me pego pensando na mensagem que eu quero passar, mas eu acho interessante contar histórias que parecem uma coisa e surpreendentemente são outra. O primeiro livro da Casa das Hostesses tem isso na reviravolta que acontece, você pensa que é só mais uma história de amor e é algo muito diferente. Com Guilty, o segundo livro da série, não será diferente. Guilty tem a ver com lidar com a vida, não poder culpar os outros pelo que te acontece, lidar com a depressão, de forma que eu espero que tenham sido sutis e, ao mesmo tempo, precisas.


3- Que conselhos daria para uma aspirante a escritor?

Ser escritor não é uma profissão fácil, mas se você ama o que faz, não tem nada que mude o seu caminho. Você precisa confiar muito em si mesmo e nas histórias que quer contar! Sempre manter a cabeça nas nuvens, em busca de novas inspirações, e os pés no chão, é muito fácil de ser enganado pelas falsas esperanças. Uma caneta sempre à mão também ajuda muito! E nunca, nunca desista diante da primeira porta fechada, ela não é a coisa mais assustadora, apesar de parecer!


4- Qual dos livros foi o mais emocionante para escrever?

Acho que os dois livros foram bastante emocionantes de escrever, eu gosto de trabalhar as histórias de cada personagem e deixá-los o mais humanos que eu consigo. Em Guilty, eu tive a oportunidade de começar a aprofundar suas histórias, suas personalidades e isso tornou a história mais humana e mais próxima do que eu quero!


5- Qual a maior dificuldade que já passou, depois que escreveu seus livros?!

Quando eu termino de escrever uma história, eu passo pelo processo de luto e é brutal! Muitas vezes, eu não acredito que serei capaz de escrever de novo (é meio dramático, mas não sei se eu seria escritora se não fosse assim haha!). A maior dificuldade depois de escrever também é decidir se a história vale ou não à pena ser dividida com as outras pessoas e depois lidar com todo o processo de publicação. Eu tive muita sorte ao encontrar a Editora PenDragon, que está responsável pelos dois livros e apostou em mim e na minha história.


6 - Tem preferência por alguma personagem?! Se sim, qual seria?!

Todo mundo sempre me pergunta isso! Hahaha! Eu gosto muito de escrever as cenas da Marissa, pensar e pesquisar os drinks e desenvolver suas interpretações, adoro! Não sei se isso a caracteriza como a minha preferida, porque todos eles têm particularidades que eu adoro desenvolver, mas talvez seja ela.


7 - Qual o seu maior sonho?!

Poder escrever todas as histórias que eu quero e viver disso! Com certeza esse é meu maior sonho, porque eu não acho que seria muito boa em outras coisas, hahaha!


8- Você se sentiu incentivada, ao escrever e publicar seus livros?

Eu sempre tive um grupo muito bom de pessoas a minha volta que se entusiasmam toda vez que eu tenho uma ideia nova, minha irmã principalmente! Eu acho que um escritor sozinho não é um escritor, ele precisa de leitores e da sua paixão! Quando me disseram que gostaram do que eu tinha escrito, eu me senti muito inclinada a publicar essas histórias!


9- Se pudesse dar um conselho a Déborah de antes o que falaria?

Escreva muito mais do que você está fazendo agora! Mais tarde, você não terá todo o tempo que tem e vai sentir muita falta de toda essa liberdade criativa que tem! Hahaha! E também não espere tanto dos outros, é muito legal dividir seus mundos fantasiosos, mas não é responsabilidade de ninguém mais mantê-los senão você mesma!


10 - O que podemos aguardar desse segundo livro?

Guilty vai mostrar um novo lado dessas personagens que vocês conheceram e todos os efeitos dos acontecimentos do primeiro livro neles. Também traz três novos personagens: a mãe do Akihito, o professor da Camila e o novo sócio do Souji e um deles veio pra ficar!


11- Deixe um recado pro pessoal, poder conhecer um pouquinho mais da sua obra.

A Casa das Hostesses é uma boate japonesa que oferece como principal trabalho a companhia de suas garotas. Se você teve um dia difícil, se quiser alguém para lhe fazer companhia, se ficar em casa sozinho só lhe faz pensar nos problemas... As hostesses podem cuidar de você! Venham e sejam muito bem vindos!

 

“Sabe? Quando eu descobri que estava apaixonada por Yususke e não sabia o que fazer, uma amiga muito sábia me disse que quando a vida te coloca numa encruzilhada e você já não pode mais confiar no que vê ou na sua razão, você fecha os olhos e deixa que o coração guie seus passos para a estrada que o destino te reservou.”

Espero que tenham gostado da entrevista e em breve teremos a resenha de A Casa das Hostesses - Guilty no blog. Déborah só tenho que agradecer pela nossa parceria, saiba que pode contar com a gente sempre.

Beijos e até a próxima :)

 

Conheça o(a) Autor(a)

[Paloma]
Paloma Isabele

Pisciana, Estudante de Direito e Completamente apaixonada pelos livros. Uma frase que resumi toda essa loucura que chamamos de vida é "Nada é tão nosso, quanto nossos sonhos".

Veja Alguns Posts Relacionados

Comentários

Olá, deixe seu comentário para Entrevista com a escritora Déborah Felipe

Enviando Comentário Fechar :/